Autismo e Alfabetização: Uma Experiência com Ulisses

Ulisses foi diagnosticado como Autista clássico dentro do Transtorno do Espectro Autista, ele ainda é não verbal, agora (11/07/11) tem 6 anos e 8 meses. No início de 2011 tinha uma perspectiva dada pela escola regular onde estuda, desanimadora para nós pais. A escola nos informou que o Ulisses estava sendo o caso mais desafiador, pois o método, os recursos usados pela escola não estava obtendo resultados esperados. “Neste momento estamos tentando fazer a relação corpos-cadernos” esta era a fala de uma das pessoas que trabalham com o Ulisses ao se referir à dificuldade que a escola tinha em fazer o Ulisses desenvolver algumas tarefas no caderno, como pintar, riscar, sentar à mesa para fazer as atividades. Era angustiante saber que nosso filho já com 6 anos não conseguia deixar nada registrado de forma funcional que demonstrasse que ele estava no processo de alfabetização. Naquele momento sabíamos que não estava conseguindo acompanhar seus colegas de sala, mas queríamos que pelo menos mostrasse um início.
Mas como um despertar, resolvemos montar um espaço em casa (chamado de sala de terapia) para que nós pais pudéssemos o acompanhar pedagogicamente, pois até então estávamos esperando pela escola e algumas “terapias” que o levávamos. Eu, formado em matemática que já tinha facilidade a confeccionar materiais pedagógicos e desenvolvido projetos na Casa da Esperança em Fortaleza-Ce, mas que os materiais até então postados aqui no blog muitos deles eram mais aplicáveis a crianças autistas de alto funcionamento com maior facilidade na aprendizagem, que aparentemente não era o caso do Ulisses. Resolvi pesquisar e produzir materiais que não conseguia encontrar para comprar que fossem direcionados a crianças autistas que estivessem no início do processo de ensino aprendizagem.
Por outro lado a Mãe, Ana Maria Nascimento, pedagoga e mestra em educação, que foi professora de crianças e adolescentes com autismo na Casa da Esperança, começou a trabalhar intensivamente na sala de terapia do Ulisses e concomitantemente ele era atendido por uma professora também na sala. Neste pouco espaço de tempo os resultados mudaram. As sessões com várias materiais adaptados para a forma subjetiva de aprender e pensado como seria melhor para ele entender como fazer a atividade; como trabalhar a coordenação motora fina, letras de imprensa, formas geométricas, números, cores e etc.




Está sendo algo transformador, ver o Ulisses com seu dedinho contornando as letras em todos os lugares por onde as encontra e quando não consegue tocar fica contornando assim mesmo no ar, parecendo o comercial do Banco Itaú. Ele consegue enxergar as letras onde as ver e está no processo de apropriação destes formatos e símbolos que antes não fazia sentido para ele e agora apresentam-se como algo do seu dia a dia e que têm significado. Sabemos que é um começo, uma soma de tudo que ele já viu e que foi também trabalhado na escola, mas que comprovadamente devemos trabalhar no método um a um em casa e procurar outros métodos e materiais que possa chegar até as limitações que pensávamos que existia, mas o que faltava era os recursos certos e o mais importante: ACREDITAR E INVESTIR NA SUA CAPACIDADE, pois ele consegue.
Passamos pela situação de educadores e pais fazerem comparação entre as crianças autistas dizendo: Este já lê, aquele já reconhece cores... teu filho nada, e alguns profissionais que diziam ser professores de autistas e ao terem contato com o Ulisses, nem sequer souberam dá uma desculpa plausível, o porquê não iria atendê-lo. Hoje sabemos que é menos desafiador começar um trabalho com a criança que de cara já corresponde do que aquelas que precisam começar do começo. Que era o caso do Ulisses. E admiramos aqueles profissionais que não fazem distinção e os que sabem reconhecer quando não está ao seu alcance e pede ajuda.
Tudo isso está sendo compartilhado porque sabemos que milhares de pessoas estão passando as mesmas coisas que nós. Queremos contribuir mostrando fatos. Postaremos o passo a passo deste método e recursos que estamos usando.

Por Joaquim Melo e Ana Maria Nascimento.

8 comentários:

  1. Olá, sou formada recentemente em pedagogia e trabalho como professora com autistas... estou A-M-A-N-D-O o blog de vcs, realmente está me auxiliando demais e me dando mais confiança no meu trabalho.... eu estou deveras agradecida! digo que trabalhar com os autistas é desafiador, as vezes frustante, porém é maravilhoso quando vemos que o nosso trabalho dá resultados, além é claro de ser apaixonante!!!!

    ResponderExcluir
  2. adorei vou repassar p professora do meu filho p ela trabalhar c ele em sala d aula.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite!
    Fiquei muito feliz ao ver esse blog, pois realizo um trabalho semelhante ao de voces com uma criança autista de 5 anos.Eu frequento a casa dele 2x na semana e realizo 1h diaria de trabalho pedagógico, mas mesmo sendo Pedagoga, as duvidas sao muitas, pois o ambiente academico nao nos prepara como deveria,para esse e outros trabalhos, especialmente voltados para a Educaçao Especial.
    Gostaria muito que voces entrassem em contato comigo através do meu email, para eu tirar algumas duvidas, e trocar alguma ideias com voces (adrianacrisguedes@hotmail.com)
    Abraços e sucesso!

    ResponderExcluir
  4. Olá,gostaria de conversar com vcs,pois tenho um aluno autista funcional com as mesmas dificuldades e não estou conseguindo saber como trabalhar com ele em sala de aula.Meu e-mail neuzabrgg@hotmail.com
    Aguardo retorno,tenho muito para conversar e ouvir de vcs!!!Abraços

    ResponderExcluir
  5. Oi, Ana Maria! Que Bom que estão conseguindo ver o avanço do Ulisses. Este ano (2013) eu implantei a sala de estimulação aqui em casa e espero em Deus no fim do ano ver algum resultado minimo que seja com o meu filho. Te conheci em Cuiabá no son-rise em maio de 2012. Bjos na família linda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amiga que bom, com certeza seu filhãO VAI AVANÇAR..BJS

      Excluir
  6. OLÁ AMIGOS!
    SOU PRO DE UM ALUNO DIAGNOSTICADO AUTISTA HÁ 2 ANOS, EM UMA SALA DE APOIO. ELE JÁ TEM 7 ANOS E AINDA NÃO CONSEGUI ALFABETIZA-LO. MAS ELE JÁ CONSEGUE MONTAR O SEU NOME COM AS LETRAS DO ALFABETO MÓVEL, TEM ÓTIMA PERCEPÇÃO VISUAL.
    GOSTARIA MUITO QUE VCS ME AJUDASSEM COM A ALFABETIZAÇÃO DELE, ELE TEM MUITAS DIFICULDADES COM AS LETRAS QUE FAZEM CURVA.
    ME AJUDEM POR FAVOR. TENHO PESQUISADO, COMPREI ATÁ UNS CDS COM O MÉTODO SON RISE MAS COM ELE NÃO FUNCIONOU .
    UM ABRAÇO.
    JUCIARA BOMFIM
    MEU EMAIL juci-bomm@hotmail.com

    ResponderExcluir